5 perguntas que você precisa saber responder na entrevista de emprego







Prepare-se para responder as principais perguntas dos recrutadores e garanta um bom desempenho na sua entrevista de emprego!

Para selecionar profissionais, as empresas estão apostando cada vez mais em entrevistas comportamentais, que investigam a postura e atitudes do candidato em empregos anteriores. Nesse tipo de entrevista, cada vez mais comum, muito mais do que a lista de habilidades técnicas ou a sequência de cargos ocupados, é preciso saber responder com clareza e sinceridade a perguntas mais profundas, às vezes sobre situações difíceis que o candidato enfrentou. “A gente costuma dizer que o profissional muitas vezes entra pelo lado técnico, mas o que o faz sair é o comportamento”, diz Juliana Alvarez, Gerente de Recrutamento da Page Personnel nas áreas de RH, Vendas e Marketing. Conversamos com a especialista sobre como se preparar melhor para esse momento e listamos a seguir cinco perguntas que você precisa saber responder na entrevista de emprego.



1 – O que levou você a se movimentar?

Com essa pergunta, o entrevistador quer saber por que o candidato busca uma nova oportunidade e também o que motivou as demais mudanças que teve ao longo da carreira. A dica é ser o mais sincero possível, por mais que o motivo da mudança tenha sido complicado, como demissões e problemas de relacionamento.

Para estar bem preparado, Juliana recomenda demonstrar consciência das motivações que o fizeram mudar e focar no que aprendeu com cada situação. Se você foi demitido porque seu desempenho ficou abaixo do esperado, é importante demonstrar o que está fazendo para reverter a situação.

Evite e respostas abertas e genéricas (oportunidade melhor, vi vantagem, queria novos desafios) e nunca minta (recrutadores costumam checar referências) ou fale mal do emprego anterior.

Prefira usar frases positivas, que causam um impacto mais profissional. Por exemplo:

  • Em vez de “o salário era muito baixo na outra empresa”, prefira : “mudar foi melhor financeiramente”.

  • Em vez de “minha relação com aquele chefe não era boa”, diga: “me identifiquei com a nova liderança”.

2 – Fale sobre casos de sucesso que você teve nas empresas onde trabalhou/ Conte sobre um desafio que precisou enfrentar.

O objetivo do entrevistador com essa pergunta é entender como o profissional acumulou competências ao longo da carreira e como lidou com momentos de estresse, como rotina pesada, prazos apertados ou problemas de relacionamento. É a oportunidade para você “vender o seu peixe”. Tenha sempre 3 ou 4 casos de sucesso na manga e prepare, para cada um deles, uma história com começo, meio e fim: qual era o desafio, como você atuou para superar o desafio e qual foi o resultado.

Dessa forma, o entrevistador vai conhecer, indiretamente, qual sua experiência técnica, sua atitude e funções desempenhadas.

3 – Quais são suas maiores qualidades? E os seus defeitos?

Apesar de preferir dizer que as pessoas não têm defeitos, e sim pontos a serem desenvolvidos, Juliana afirma que ainda é comum perguntar ao candidato quais são seus defeitos e qualidades. Respostas genéricas, do tipo “sou muito perfeccionista” e “trabalho demais” são clichês e não diferenciam o candidato. A chave, aqui, é demonstrar autoconhecimento e saber exatamente o no que você se destaca tecnicamente e comportamentalmente, citando exemplos de como sua qualidade é vista pelos outros. Em vez de dizer que é perfeccionista, por exemplo, prefira citar ações concretas: “Meus relatórios são impecáveis e sou elogiado por isso, o que me trouxe a consequência X (por causa disso assumi uma coordenação, fui promovido, recebi um mérito etc.).” Ao falar dos defeitos, procure explicar o que tem feito para melhorar. Em vez de “sou muito ansioso”, é preferível contar ao entrevistador como você controla a ansiedade, por exemplo: “comecei a praticar corrida/ entrei na academia e isso me ajudou a canalizar a energia, me deixando mais tranquilo no trabalho”. “Não gosto de trabalhar com gente incompetente” é outro clichê. Se esse for o seu caso, prefira afirmar que não tem paciência para trabalhar com pessoas que não têm o mesmo ritmo, o que às vezes faz com que você assuma trabalhos que não são seus, e conte o que tem feito para melhorar esse ponto.

4 – Já teve gestão de pessoas?

“O candidato que busca seu primeiro cargo de gestão muitas vezes traz casos de gestão indireta”, explica Juliana. A dica da especialista para quem ainda não passou por uma posição de gestão de pessoas é deixar claro que tipo de gestão exerceu anteriormente com clareza e sem floreios. Alguns exemplos de gestão indireta de pessoas são compartilhar um estagiário que era de outra equipe, e a situações de projetos em que precisou gerenciar o trabalho de fornecedores e pessoas de outras equipes. Enfatize suas habilidades de relacionamento interpessoal, a interação com outras áreas, gestão de tempo e do trabalho de terceiros.