Marketing Pessoal: 13 dicas de como colocar em prática



Marketing pessoal é uma estratégia composta por ações cujo objetivo é qualificar a imagem de um profissional e seus serviços no mercado de trabalho.

Não se resume apenas a preocupar-se com a aparência, mas também com a sua postura, comportamentos e networking.


O marketing pessoal é praticado a cada vez que você consegue utilizar suas habilidades e qualificações para se diferenciar e alavancar sua carreira, deixando a sua própria marca.

O segredo é se fazer notar.


Saber se vender não é, de maneira alguma, sinônimo de culto ao ego ou simples vaidade pessoal.


Estamos falando sobre uma maneira de destacar positivamente as suas habilidades, entregando valor às pessoas e fazendo com que elas tenham uma excelente impressão sobre você e sobre aquilo que oferece.


1. Tenha um objetivo


Do que adianta trabalhar o seu marketing pessoal se, antes, não estiver estabelecido um objetivo bem claro sobre o que você deseja alcançar?


Então, não comece sem traçar uma meta e, em seguida, as ações necessárias para concretizá-la.

Você deseja uma promoção? Está de olho em uma vaga na concorrência? Deseja mudar sua área de atuação?


Não faça como um marinheiro de primeira viagem – mesmo que seja um.

Com um norte marcado na sua bússola, fica mais fácil traçar planos no curto, médio e longo prazos.


Também pesquise junto a outras pessoas que já atingiram o que você almeja e verifique se não é necessário uma qualificação ou experiência mais específica para tal, por exemplo.

Afinal, para ter sucesso ao trabalhar a sua imagem, é necessário garantir que as suas habilidade sejam suficientes.


2. Pratique o autoconhecimento


Conhecer a si mesmo é uma maneira eficiente de promover o marketing pessoal.

Quem ganha, no final, não é apenas você mesmo, mas também quem trabalha à sua volta, a empresa, seus amigos e família.


É fundamental listar quais são seus pontos fortes e fracos e identificar o que você pensa e faz em relação a cada um deles.


Isso não vale somente para aptidões técnicas, mas principalmente para aspectos comportamentais.


Você é bom em quê? Liderança? Inteligência emocional?

No que pode evoluir? Autoconfiança? Resiliência?

Reflita sobre qual seria a melhor maneira de lidar com eventuais dificuldades e como fazer para desenvolver suas capacidades mais fortes.


3. Invista em qualificação


Conhecimento nunca é demais. É como diz a sabedoria popular: a inteligência é um bem que ninguém pode nos roubar.


Mesmo que você seja um excelente profissional, não caia nas armadilhas da zona de conforto.


A estagnação o afasta dos objetivos e atrapalha o seu desenvolvimento. Como consequência, a imagem que transmite de você mesmo nunca é tão boa quanto poderia ser.

Portanto, esteja em constante desenvolvimento e aprendizado. Utilize seu tempo livre para investir em capacitação e adquirir novos saberes.


Seja por meio de formações e treinamentos, aprendendo um novo idioma ou participando de palestras, workshops e programas de motivação, permita-se evoluir.


Com um mercado cada vez mais competitivo, você precisa ter, além das qualificações comportamentais, habilidades técnicas sólidas para se destacar e atingir seus objetivos profissionais.


4. Fique atento à sua postura


É importante manter contato visual mesmo quando o assunto em pauta é delicado – aliás, especialmente nessas situações.


Pode parecer bobagem, mas os pequenos detalhes fazem toda a diferença.

Quer um exemplo? Só de olhar nos olhos do seu colega de trabalho, você já demonstra transparência e sinceridade.


É importante manter contato visual mesmo quando o assunto em pauta é delicado – aliás, especialmente nessas situações.


Evite olhar para as mãos, para o chão ou qualquer outro ponto que chame sua atenção.

Mostra desinteresse no que a outra pessoa está dizendo.


A postura do seu corpo também transmite mensagens, às vezes subconscientes. Por isso, vale prestar atenção aos seus gestos e expressões faciais.


Desenvolva a comunicação não-verbal. Os benefícios são evidentes.

Sentar desajeitado na cadeira, por exemplo, demonstra desleixo.


Ficar de braços cruzados ou com as mãos do bolso, por sua vez, pois denotam falta de interesse em socializar e tédio.


Vale o alerta: é nos detalhes que uma estratégia de marketing pessoal conhece o sucesso ou o fracasso.


5. Cuide do seu visual


Marketing pessoal não é só aparência, mas é também visual.

Ainda que o ambiente organizacional seja mais flexível, há cuidados que precisam ser mantidos.


Nessas horas, vale o bom senso de compreender onde você está.

O ponto é: seu visual demonstra a imagem que você deseja passar para os outros.

Além disso, para trabalhar o seu marketing pessoal não é preciso, necessariamente, investir em roupas de grife, mas sim cuidar da aparência e da higiene.


Barba bem aparada para os homens e acessórios sem muitos exageros para as mulheres são uma boa dica.


Em um sociedade que valoriza tanto a aparência, goste você ou não, seu visual é o seu cartão de visitas.


6. Seja um bom ouvinte


Colegas de trabalho, clientes, chefes e estagiários: todos têm algo a ensinar.

Às vezes, os melhores conselhos e as dicas mais valiosas surgem quando se menos espera, em um bate-papo informal.


Mostre que você é um bom ouvinte e passe a ter a admiração das pessoas ao seu redor.

Eles irão se sentir mais valorizados, sabendo que a opinião deles importa para você.


7. Melhore sua comunicação


Se existem alguns termos específicos na sua área de atuação, busque ter o domínio deles para não acabar fazendo feio.


Ouvir melhor é parte da comunicação, mas não é o todo. É preciso mais para dominar a interlocução como um todo.


Por isso, tenha o máximo de cuidado ao se expressar, seja no trabalho ou no trato com clientes.


Fale de forma clara e evite gírias, ainda que esteja em uma videoconferência via redes sociais.


Se existem alguns termos específicos na sua área de atuação, busque ter o domínio deles para não acabar fazendo feio.

Vale o mesmo para a escrita.


Utilize corretores de texto ou ferramentas online para ajudá-lo a não enviar e-mails ou redigir documentos com problemas de ortografia e repetição de palavras.


8. Esteja ligado no que acontece no mundo


Já que estamos batendo bastante na tecla da comunicação, não ignore o que acontece na sociedade.


Se estar bem informado é algo que já faz parte da sua rotina, ótimo, pois demonstra competência. Se não for o caso, ainda há tempo de mudar.


Afinal, você não vai querer ficar perdido no assunto quando as pessoas ao seu redor estiverem falando sobre atualidades, não é mesmo?


Ou, ainda, ficar sem resposta quando alguém perguntar sua opinião sobre determinado assunto.


Então, procure acompanhar as principais notícias diariamente, seja do jeito que for.

Com os meios digitais, não há desculpa para agir diferente.


9. Honre seus compromissos e seja pontual


Sabe aquela conversa de que é charmoso chegar atrasado? Em um encontro romântico pode até ser, mas, no universo corporativo, essa não cola.


Se você quer fazer um bom marketing pessoal, nada de seguir o (mau) exemplo de profissionais que estão quase sempre atrasados ou em cima da hora para compromissos e prazos de entrega.


Há quem faça isso de modo consciente, tentando demonstrar um senso de heroísmo para dar conta de uma rotina incrivelmente atribulada.


É um erro, uma armadilha, uma autossabotagem.

Quer uma dica? Aprenda a gerenciar melhor o seu tempo. De preferência, tente sempre chegar com 10 minutos de antecedência a todo e qualquer compromisso.


Esse cuidado passa uma imagem de pessoa comprometida e interessada.


10. Seja um bom líder


Seja no que fala ou nas atitudes, faça jus às expectativas que depositam em você.

A capacidade de liderar é cada vez mais vista como um diferencial importante.


Ser capaz de inspirar a equipe e se tornar uma referência para ela é também mostrar o seu valor.


Mas essa é uma competência que aparece em várias outras situações, inclusive na forma como você conduz a sua vida pessoal e profissional.


Será que você demonstra ser o líder do próprio desenvolvimento?

Seja no que fala ou nas atitudes, faça jus às expectativas que depositam em você.

Tenha uma postura de liderança.


11. Faça networking


Trabalhar e ampliar a sua rede de relacionamentos é uma dica básica de marketing pessoal.

Afinal, você precisa de parceiros, assim como necessita de seguidores e fãs.

Relacione-se com pessoas de sua área de atuação ou do segmento no qual você atua ou gostaria de atuar.


Participe de eventos como palestras, cursos e seminários.

Troque cartão de visitas.


Mas lembre que networking é uma via de mão dupla, na qual não é só você que sai beneficiado. Também ajude sua rede quando possível e mantenha sempre contato.


É justamente por meio dessas relações que você cria vínculos, conhece pessoas, compartilha interesses comuns e, em última instância, é notado e lembrado.


12. Invista em algo seu


Sabe aquela habilidade que você julga possuir? Que acredita ser melhor do que outras pessoas?


Então, se dedique com mais afinco a ela.


Pode ser algo que pareça irrelevante em um primeiro momento, como aquela apresentação bem construída e visualmente agradável ou a capacidade de organizar ideias.

O importante é não ser mais do mesmo.


Mostre que você não é aquela peça que saiu do forno igual a todos os outros da sua área

Tenha aquele diferencial que fará as pessoas lembrarem de você.


13. Cuide de sua imagem virtual


A internet pode ser usada tanto para o bem, quanto para o mal. Depende de você.

Tenha muita atenção e cuidado – especialmente com as redes sociais.


Sempre mantenha a coerência entre o que é dito e o que se faz na vida profissional e fora dela.


O marketing pessoal está cada vez mais ligado à imagem virtual.

Os recrutadores, líderes e o mercado como um todo estão de olho naquilo que você publica.


Então, pense bem antes de postar. Evite compartilhar fotos ou informações muito pessoais.

Utilize esse espaço para divulgar cursos que você tenha feito ou artigos interessantes de sua área de atuação.


Deixe as mídias sociais falarem bem de você, conferindo mais dicas sobre isso no próximo tópico.


Influência das redes sociais no Marketing Pessoal


Não é preciso deixar de ser você mesmo e passar a uma representação perfeita do funcionário do mês nas redes.


Atualmente, é uma prática comum pesquisarmos sobre as pessoas nas redes sociais, seja no Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram, entre outras.


Por isso, não pense que o que você transmite na internet também não influencia no seu marketing pessoal.


Não é preciso deixar de ser você mesmo e passar a uma representação perfeita do funcionário do mês nas redes.


O importante é manter o equilíbrio e agir de maneira sensata.


Talvez seja melhor deixar certos tipos de publicações para os grupos privados do WhatsApp, não é mesmo?


A dica de ouro é seguir perfis de pessoas influentes na sua área e ver como elas se comportam na internet, que tipo de conteúdos compartilham, como elas se mostram, que tipo de imagem publicam.


Se você tem o próprio negócio, faça um benchmarking da concorrência para se espelhar nas melhores práticas.


A informação está acessível, a apenas um clique. Por que não se inspirar para evoluir?


O que não fazer para o seu Marketing Pessoal


O primeiro ponto é sempre lembrar de não passar por cima de ninguém.

Já detalhamos bastante sobre o que fazer para construir um bom marketing pessoal, mas o que é prudente não fazer?


O primeiro ponto é sempre lembrar de não passar por cima de ninguém.

Não use pessoas como meio de alcançar aquilo que você deseja. Persiga a ética acima de tudo.


Conquiste tudo com o seu esforço e a sua dedicação.

Outro cuidado para se tomar é evitar a arrogância. Fuja do foco em si mesmo.


Se você usa muito o “eu” em suas falas, provavelmente está sendo muito autocentrado. Isso não vai ajudá-lo a conquistar a simpatia dos demais.


Por outro lado, não busque a afeição dos colegas a qualquer custo.

Se você tem um bom senso de humor, procure usá-lo com moderação.



66 visualizações0 comentário