Networking: o que é, para que serve e técnicas





Como anda o seu networking?

Já faz alguns anos que essa palavra aparece em destaque quando o assunto é vida profissional.

Mesmo que você não seja da área de Recursos Humanos, é bastante provável que já tenha ouvido conselhos para construir e manter ativa sua rede de contatos.

E não é à toa.

Com a popularização das redes sociais e os desafios impostos pela pandemia de Covid-19, o networking assumiu um papel ainda mais relevante.


Afinal, cultivar boas conexões amplia o acesso a novas oportunidades de trabalho, tanto em relação ao emprego com carteira assinada quanto a projetos, parcerias e demandas para freelancers e empresas.

Então, se ainda não investe nessa estratégia, recomendamos que comece hoje mesmo.

Vamos te ajudar ao longo deste artigo, mostrando os tipos, importância e um passo a passo para conquistar e estreitar laços com sua rede.


O que é networking?


Networking é a ação de formar, ativar e manter uma rede de contatos em movimento, trocando informações e entregando valor para quem você conhece.

Embora exija continuidade, essa dinâmica costuma ser posta em prática através de atitudes simples e rápidas que, quando combinadas, são capazes de colocar seus pontos fortes, realizações e a própria carreira em evidência.

Ou seja, o networking tem o potencial de dar destaque aos seus pontos positivos, expondo-os sem que precise recorrer à autopromoção, de um jeito profissional e espontâneo.

Aliás, ainda que não tenha consciência disso, você já deve ter feito networking em diversos momentos.

Sabe aquela conversa durante um evento, uma troca de cartões ou comentário sobre seus projetos?

São alguns exemplos do trabalho com sua rede de contatos.

O mesmo raciocínio vale para quando você se interessou e perguntou sobre o trabalho de um colega, pediu ou deu indicações profissionais ou enviou um e-mail de cortesia para saber se estava tudo bem com um parceiro.

Apostando em uma estratégia que integre essas e outras pequenas ações, é possível alavancar sua carreira, equipe, projeto ou empreendimento.

Nos próximos tópicos, explicamos melhor como isso acontece.


Qual a importância do networking?


Se você foca na praticidade, trabalhar o networking pode parecer algo supérfluo ou até dispensável.

Porém, sua importância fica bastante clara em algumas situações específicas, como diante de uma demissão.

Décadas atrás, havia um caminho tradicional para buscar a recolocação no mercado: atualizar e distribuir currículos.

Assim, quando alguém perdia o emprego, era natural imprimir vários CVs e entregar os documentos pessoalmente, a fim de ser selecionado e chamado para um processo seletivo.

Óbvio que as chances aumentavam se houvesse indicação por parte de algum funcionário, do antigo chefe ou clientes atendidos.

No entanto, a dinâmica costumava ser essa.

Quanto mais currículos enviados e maior a expertise do profissional, maiores as possibilidades de ser recolocado em um curto espaço de tempo.

Isso porque não era comum encontrar muitas opções de vagas ou profissionais especializados, ao contrário do que ocorre hoje.

Para completar o cenário, e-mails, blogs e redes sociais praticamente eliminaram a barreira geográfica que separava pessoas e organizações de diferentes estados ou países.

O resultado é um mercado altamente competitivo, no qual fica difícil não somente se destacar, como também ser notado por executivos e organizações de nosso interesse.

Daí a necessidade de adotar uma postura mais proativa, incrementando os esforços na comunicação para alcançar novas oportunidades profissionais.

E o networking é uma das estratégias mais eficientes nesse sentido, como detalhamos abaixo.


Observe a sua importância para diferentes perfis:


  • Para os negócios:

Se a competição é dura para os profissionais, também atinge diversos tipos de negócio.

Independentemente de seu modelo e estrutura, todos eles dependem da conquista e fidelização de clientes para garantir seu bom funcionamento e lucratividade.

Precisam, ainda, de parcerias bem construídas para tornar os processos eficientes, empregando menos recursos para ofertar seus produtos e serviços.

Sem investidores, fornecedores e outros players, fica complicado manter e expandir a empresa.

Por isso, CEOs e gestores precisam sustentar boas estratégias de networking, cultivando relacionamentos de qualidade com seus parceiros.

Quando centradas no consumidor, as táticas também melhoram as relações junto aos clientes, favorecendo sua fidelização por meio da proximidade e confiança.

  • Para executivos

Profissionais que ocupam altas posições nas companhias também se beneficiam muito do networking.

Aqueles que estão em cargos de liderança podem usar essa estratégia para reforçar a comunicação e o espírito de equipe, contribuindo para um bom clima organizacional.

Além disso, são lembrados por colegas e pares de outras empresas, o que ajuda caso precisem de suporte para um projeto interno, pessoal ou de recolocação no mercado.


  • Para a carreira


Quando aplicado ao longo da carreira, o networking possibilita a identificação, construção e manutenção de redes de apoio.

Esses grupos têm potencial para auxiliar em diversas demandas.

Podemos citar, por exemplo, a busca por novas oportunidades, a ampliação dos conhecimentos sobre determinado assunto, protocolos específicos e até dicas para criar uma rotina saudável de trabalho.

Afinal, a dinâmica se baseia na troca de saberes, informações e experiências.

Uma vez que se disponha a ajudar um conhecido, ele provavelmente vai se lembrar de você no futuro e pode fornecer um apoio importante.

É por isso que quem cultiva sua rede de contatos tem mais chances de obter promoções, ser indicado para uma boa vaga e para projetos em sua área de atuação.



Networking: 7 passos de como fazer melhor o seu networking


Ao chegar até aqui, você deve estar convencido – pelo menos, em parte – a trabalhar sua rede, certo?


Mas o que fazer se esbarra no seu perfil tímido, rotina corrida ou na falta de vontade de conversar com pessoas com quem não tem tanta proximidade.

Se está diante de uma dessas barreiras, não se preocupe, pois temos a solução para romper com elas: planejamento.


Parece clichê, no entanto, o simples ato de desenvolver um plano viável vai te deixar mais perto de indivíduos que podem te dar suporte.


No final, você vai perceber que o networking se torna parte do seu dia a dia, rendendo conteúdo de qualidade e contatos valiosos.


Pensando nisso, trazemos uma estratégia em 7 passos, baseada neste artigo no LinkedIn do gerente de relacionamento e especialista em carreira, Rafael Sortica.


1. Defina o objetivo


Cada atitude sua deve ser guiada por um objetivo, caso contrário, não vai ser possível verificar se ela teve o retorno esperado.


Há objetivos mais claros e urgentes, como obter sua recolocação, promoção ou o primeiro emprego, mas outros são mais subjetivos.


O segredo para manter seu planejamento eficaz é identificar e registrar esses alvos para que se tornem atingíveis, por exemplo:

  • Conhecer melhor minha área de atuação

  • Conseguir boas recomendações de cursos de aperfeiçoamento

  • Prospectar clientes para meu novo (ou futuro) negócio.

2. Reforce sua marca pessoal


A marca pessoal é formada pelo reconhecimento e relação com seu público-alvo (ou rede), combinando seu conteúdo e imagem.


O conteúdo é sua essência, ou seja, a soma das vivências, habilidades, conhecimentos e formação profissional.


Já a imagem é como uma embalagem forjada pela sua postura (aparência, apresentação, posicionamento, linguagem, etc.), seja no mundo digital ou pessoalmente.

Nas palavras do especialista Rafael Sortica:


“Não se espera que um profissional de produção use terno e gravata numa entrevista, muito menos em seu dia a dia, assim como um advogado não vai numa audiência de polo e jeans. Marca pessoal é adequação do profissional ao seu universo de atividade. Existem códigos predominantes em cada área e setor e precisamos estar em certa concordância com eles.”


3. Selecione os meios de contato


Neste espaço, inclua os canais online e offline que podem ser usados para se conectar à sua rede.

Lembre-se de escolher os mais alinhados ao seu objetivo.

Se deseja uma promoção, por exemplo, vale dar maior ênfase a eventos internos da empresa, redes sociais e grupos dos quais seus colegas participem.


4. Mapeie sua rede


Esta é uma versão daquela máxima do marketing: conheça seu público-alvo.

Quem são seus contatos? O que eles fazem? Quais suas necessidades e preferências? Como gostariam de ser abordados?

Para facilitar o trabalho, é útil seguir a dica e dividir sua rede em três grupos:

  • Grupo A: indivíduos que fazem parte da sua rede e podem auxiliar diretamente na busca pelo objetivo

  • Grupo B: pessoas da sua rede que conhecem quem pode ajudar diretamente na conquista do objetivo

  • Grupo C: indivíduos que ainda não têm contato direto com você, mas podem ajudar a atingir seu alvo.


5. Estabeleça sua principal mensagem


A mensagem ideal junta sua marca pessoal (aquilo que você pode oferecer) a um tema, dica ou conteúdo interessante para sua rede.

É hora de utilizar as informações que descobriu durante o mapeamento para elencar os assuntos que podem inspirar reações e estreitar laços.


Que tal publicar ou enviar uma notícia ou tutorial para cada grupo? Ou fazer uma publicação em seu blog ou rede social mais utilizada pela rede?


Considere o nível de proximidade e não tenha medo de compartilhar aquilo que sabe com outras pessoas.


6. Monte um plano de execução


Assim que elaborar a mensagem mais adequada, você estará pronto para estabelecer um calendário de networking.


Pode ser em um software rebuscado, agenda do Google, planilha do Excel ou até em um caderno.


O importante é listar as ações, prazos e datas em que serão realizadas.

De quais eventos, cafés e happy hours você irá participar?


Se vai produzir conteúdo, qual será a estrutura, onde será divulgado e com que periodicidade?


Respondendo essas questões, você vai montar um plano inicial que poderá ser adaptado à medida em que tiver retorno sobre as primeiras ações.


7. Controle investimento e resultados


Sim, provavelmente, você vai investir tempo e algum dinheiro para movimentar sua rede de forma eficiente.


Portanto, defina instrumentos para acompanhar os resultados, eliminando o que não funciona e fortalecendo as melhores táticas.


Não precisa ser nada complicado.

Você pode começar elegendo três níveis de retorno – resultado satisfatório, médio e não satisfatório – e definindo quais situações se enquadram em cada um.


Tipos de Networking


Conforme a finalidade e proximidade com os contatos, podemos classificar o networking em alguns tipos.

A seguir, conheça os mais populares.


Networking pessoal


É a modalidade mais comum, focada na divulgação da marca pessoal de um indivíduo.

Muitas vezes, o networking pessoal mescla conhecidos com diversos graus de proximidade, desde familiares até antigos colegas de escola, desde que possam contribuir com um objetivo específico.

Embora essa estratégia deva ser orientada por metas, é fundamental dar continuidade às interações para que o trabalho inicial não seja perdido com o tempo.


Networking de marketing


Esse termo descreve a construção e ativação de uma rede com o propósito de divulgar e vender produtos e serviços.

Por isso, pode ser relacionado ao network marketing – ou marketing de rede -, que é um modelo de negócio voltado à formação de uma estrutura para escalar e facilitar a expansão da empresa.

Nele, cada pessoa recrutada recebe os lucros não apenas por suas vendas, mas também pelos resultados dos profissionais recrutados.

Assim, quanto mais indivíduos aderem a essa rede, mais ganhos ela rende a todos eles.



São ações que vão levar você a conhecer pessoas interessantes, dividir dúvidas e encontrar auxílio para alcançar seus objetivos.

Então, que tal começar agora mesmo a movimentar sua rede?



Fonte: https://fia.com.br/blog/networking/

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo